quinta-feira, 14 de julho de 2011

Jardim - CE: TSE Decide que haverá eleições diretas

Por volta das 19hs30 de ontem, em sessão do TSE, foi mantida eleição direta para prefeito de Jardim-CE. A decisão foi do Ministro Arnaldo Versiani em sessão daquela corte em Brasília. A eleição ficou marcada para o dia 4 de setembro do corrente. O ministro negou seguimento (arquivou) a mandado de segurança, com pedido de liminar, do diretório municipal do Partido dos Trabalhadores (PT) e por Aniziario Jorge Costa, vereador daquela cidade. 

Eles queriam suspender a eleição direta marcada pelo tribunal regional depois que o TSE confirmou a cassação do prefeito e do vice. Alegam que pelo fato da dupla vacância ter ocorrido no segundo biênio do mandato do prefeito e do vice atrairia a regra do artigo 81 da Constituição Federal, uma vez que a Lei Orgânica do município seria omissa nesse ponto. Esse artigo da Constituição determina que, quando a dupla vacância se dá no segundo biênio do mandato, a eleição deve ser feita de forma indireta, pelo órgão legislativo. O ministro Arnaldo Versiani lembrou, na decisão, que a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal é no sentido de que a aplicação do artigo 81 da Constituição Federal não é obrigatória para estados e municípios, em razão da autonomia assegurada pelo pacto federativo. No entanto, observou que, apesar dessa autonomia, "não pode a Assembléia Legislativa ou Câmara Municipal local abandonar o parâmetro constitucional da eleição para o mandato residual". Disse, ainda, que, no caso, não há omissão da Lei Orgânica do município que abandona o critério constitucional de eleição ao estabelecer que, "em caso de impedimento do prefeito e do vice-prefeito, ou vacância dos respectivos cargos, será chamado ao exercício do cargo de prefeito, o presidente da Câmara Municipal". Ao decidir, o ministro salientou que deve ser dada a máxima efetividade ao princípio da soberania popular, mediante o voto direto e secreto. Assim, o ministro afastou a aplicação da Lei Orgânica do município de Jardim ao caso concreto, por vício de inconstitucionalidade material, e também a regra do artigo da Constituição Federal, "por não ser uma norma de observância obrigatória aos municípios, tudo conforme a firme orientação jurisprudencial do Supremo Tribunal Federal". 

Fonte:miseria.com.br

Nenhum comentário: