terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Dois dos pontos de estradas federais mais perigosos do Brasil estão no CE

Dois dos 15 pontos mais perigosos das estradas federais ficam no Ceará, de acordo com estudo do governo federal da operação “Rodo Vida”. Com base no número de acidentes com e sem vítimas, o governo federal classificou o quilômetro 10 da BR-222 como o quinto mais perigoso do país e o quilômetro 10 da BR-116 como o 11º no ranking.
O trecho da BR-222 citado registrou 22 mortes. Houve também no mesmo trecho 351 pessoas feridas por acidente e outros 359 acidentes sem vítimas. O índice de gravidade da metodologia da pesquisa é de 2.664 pontos. O trecho mais perigoso do país, no Paraná, tem 4.236 pontos e mais de 2.000 acidentes.
Já o quilômetro 10 da BR-116 teve o maior número de mortes registrados em ponto de uma estrada federal neste anos, 25 vítimas. Também ocorreram 226 feridos devido a acidentes e 401 acidentes sem vítimas ou feridos. O ponto teve índice de gravidade de 2.156 pontos.

Operação para reduzir acidentes
Com base no estudo, a Polícia Rodoviária Federal lançou o programa Rodo Vida, com objetivo de reduzir a gravidade dos acidentes de trânsito. Os 60 pontos mais perigosos, de acordo com a pesquisa, são responsáveis 22% dos casos atendidos pela PRF.
A ação integrada da Operação RodoVida se dará por meio de blitze simultâneas nas BRs, rodovias estaduais e vias municipais nas proximidades dos pontos críticos. O foco, segundo a PRF, estará no combate à embriaguez ao volante e na fiscalização de motocicletas. “O primeiro por ser uma das principais causas de acidentes graves e o segundo por ser um veículo que vem se destacando em relação ao número de acidentes nos últimos anos”, destaca a PRF.
Em 2011, de janeiro a setembro, a PRF atendeu 25.437 acidentes com motociclistas, com 18.083 feridos leves, 8.166 feridos graves e 1621 óbitos. Estima-se que o custo social dos acidentes nas rodovias federais este ano foi de R$ 7,9 bilhões (considerando o período de janeiro a setembro).

Fonte: G1.com

Nenhum comentário: