segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Paredão de som fica proibido em Limoeiro do Norte-CE

 A poluição sonora há muito tempo é um problema na região jaguaribana, principalmente após o incremento dos aparelhos de som aos veículos automorores. Para para atenuar os conflitos e principalmente reduzir os índices de poluição sonora, o Departamento Municipal de Trânsito (Demut), de Limoeiro do Norte, vai regulamentar com mais rigor o uso dos "paredões de som". Além de aumentar a fiscalização sobre os volumes em decibéis permitidos, a partir de hoje fica proibido o uso de "paredão" à noite.

A medida é criticada pelos proprietários desses aparelhos, mas bem recebida por muitos que se sentem prejudicados com o som abusivo gerado por esses aparelhos em diversos lugares e horários, numa verdadeira competição entre quem tem o maior (e melhor) paredão.

Considerado por muitos símbolo de status, os paredões de som estão no limiar entre o bom senso e a lei - em muitos casos ultrapassando as duas coisas. Nos bares e outros espaços que concentram diversão em Limoeiro do Norte, lá está o paredão. O dono da ferramenta chega como o dono da festa, não importa se a diversão seja no meio da rua ou na calçada do bar. Aumentar o volume do som é como fincar a bandeira de fixação no lugar. O espaço começa a reunir homens e mulheres. O dono do paredão tem o controle e vai mudando as músicas também considerando o gosto da "turma".

O problema é maior quando esses veículos "soltam" o som no Centro da cidade, encostam em bares e praças. A situação se complica quando o espaço fica menor ainda para mais de um paredão de som.

Reclamação
Em pontos de diversão em Limoeiro, o duelo entre um paredão e outro incomoda, mesmo estando em casa de portas fechadas. "Isso é um absurdo. Uma coisa é você se sentir no direito de ouvir sua música, outra é impor isso para todo mundo", reclama Damasceno Nogueira, que trabalha no Centro da cidade e reclama dos paredões de som, principalmente à noite em um bar próximo à praça dos taxistas.

Quem visita a Barragem das Pedrinhas, balneário do Rio Jaguaribe e um dos principais pontos turísticos de Limoeiro, por vezes é surpreendido com a poluição sonora de paredões de som. Os equipamentos são avaliados entre R$ 20 e R$ 50 mil.

No dia 7 de dezembro o Departamento Municipal de Trânsito reuniu alguns proprietários de paredões de som para lembrar dos crimes ambientais de poluição sonora e avisar que a partir desta segunda-feira os ruídos de som não podem ultrapassar os 90 decibéis e só será permitido paredão de som até as 18 horas. "A partir desse horário fica proibido o uso de paredões circulando pelas ruas da cidade. E mesmo no horário que podem funcionar fica proibido também a circulação de dois ou mais carros de som um atrás do outro", afirma capitão Osmar Nogueira, diretor do Demut.

MULTA

127 reais é o preço da multa para quem infringir a norma que proibe o uso de paredão de som à noite, em Limoeiro do Norte. O infrator também perderá cinco pontos na carteira de habilitação

Fonte: Diário do Nordeste


Nenhum comentário: