quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Ministério da Integração é indagado pelo uso de verba para enchentes

Foram liberados R$ 482 milhões para recuperar as regiões atingidas pela chuva e também para prevenir novas catástrofes. O dinheiro estava previsto desde o fim do ano passado, mas só foi liberado hoje. A verba será dividida por três ministérios.
O de Ciência e Tecnologia vai receber R$ 6 milhões para implantação do Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais. O Ministério da Defesa, R$ 32 milhões para aplicar em ações de Defesa Civil. O Ministério da Integração recebe R$ 443 milhões, para apoio a obras preventivas de desastres e também para Defesa Civil.
É exatamente o Ministério da Integração que está sendo questionado pelo uso de verba para prevenir enchentes. Há muito dinheiro para esse tipo de obra, em Pernambuco, estado de origem do ministro Fernando Bezerra. Foi a unidade da Federação que mais recebeu essa verba no ano passado.
Para colocar em ação oito projetos, Pernambuco embolsou, em 2011, R$ 98 milhões de reais. São Paulo aprovou a mesma quantidade de projetos, mas ficou com menos da metade: R$ 41 milhões. O Rio de Janeiro não recebeu nenhum centavo.
Pernambuco recebeu ainda R$ 50 milhões de uma medida provisória que sequer foi votada pelo Congresso.
No orçamento deste ano, o estado também é o que mais vai receber repasse: R$ 81 milhões de reais do orçamento.
O ministro Fernando Bezerra nega que esteja favorecendo seu berço político. “Pernambuco estava com os projetos prontos porque teve um dos maiores acidentes naturais da história desse país. O acidente ocorreu em 2010. Não se pode discriminar o estado de Pernambuco por ser o estado do ministro".
Fernando Bezerra viaja nesta quinta-feira para o Rio de Janeiro e Minas Gerais. Não vai visitar nenhuma área de risco. Deve se reunir com os governadores dos dois estados. A presidente Dilma Rousseff, que estava de férias e retorna hoje para Brasília, vai acompanhar de perto as providências contra as enchentes.

Fonte: Globo.com

Nenhum comentário: