sábado, 14 de abril de 2012

Advogado de Marcelinho Paraíba diz esperar arquivamento de inquérito


Depois da notícia de que a Polícia Civil manteve o indiciamento do jogador Marcelinho Paraíba nas investigações de uma suposta tentativa de estupro, o advogado do atleta, Afonso Vilar, declarou na quinta-feira (12) que espera o arquivamento do inquérito por parte do Ministério Público da Paraíba. Para o representante do indiciado, a delegada Herta de França apenas acrescentou novos depoimentos ao inquérito, mas não apresentou provas de que o jogador seria o responsável pelas lesões encontradas na advogada que o denunciou. Segundo a mulher que diz ter sido atacada, o jogador a teria machucado e ameaçado ao forçar beijos durante uma festa.
O advogado também disse acreditar que o promotor Romualdo Tadeu de Araújo Dias, da 5ª Vara Criminal de Campina Grande, não vai denunciar o jogador à Justiça. Para ele, o promotor já havia considerado os levantamentos da Polícia Civil insuficientes para incriminar Marcelinho.
O documento ainda está em tramitação entre a Central de Polícia e a Central de Acompanhamento de Inquéritos Policiais (Caimp), portanto ainda não foi distribuído para a promotoria. Quando recebê-lo, o representante do Ministério Público poderá pedir novas diligências, oferecer denúncia para abrir uma ação penal, considerar o caso uma contravenção penal, o que acarretaria uma pena menor, ou pedir o arquivamento.
A delegada da Mulher de Campina Grande, Herta de França, considerou que o resultado do exame de corpo de delito e as provas testemunhais pesam contra o jogador. Segundo ela, o laudo emitido pela Unidade de Medicina Legal aponta que a denunciante sofreu um corte na boca e machucados no couro cabeludo e no pescoço, que podem ter sido provenientes de tentativas forçadas de beijos.
Marcelinho Paraíba foi indiciado com base no artigo 213 do Código Penal Brasileiro, que criminaliza o constrangimento mediante violência ou ameaça, com a finalidade de ter conjunção carnal ou a praticar qualquer outro ato libidinoso.

G1 PB

Nenhum comentário: